Jardins Da Lua (O Livro Malazano Dos Caídos Vol.1) – Steven Erikson

Escrito pelo canadense Steven Erikson, Jardins da Lua é o primeiro de 10 volumes da série “O Livro Malazano Dos Caídos” (Malazan Book Of The Fallen), publicados originalmente entre 1999 e 2011.

JardinsdaluaO intrincado mundo malazano de Erikson foi construído em partidas de RPG do autor junto com Ian C. Esslemont, co-criador desse universo que também escreveu alguns livros ambientados nesse cenário e que complementam a série principal. Isso por só já dá pra imaginar o quão rico, vasto e complexo é esse universo fantástico criado pelos dois autores em termos de história, atravessando eras e envolvendo toda uma miríade de personagens, onde na verdade o verdadeiro protagonista é o próprio mundo de Malaz. Mas, por ora, vamos nos ater a esse primeiro volume.

A trama de Jardins da Lua gira em torno da luta pelo controle do continente de Genabackis pelas forças invasoras do Império Malazano contra as forças mercenárias comandadas por Caladan Brood no norte do continente e pela resistência das últimas Cidades Livres, aliadas ao Senhor da Cria da Lua, Anomander Rake.

Após a queda da cidade de Pale, ainda que a custos altos para as forças malazanas, apenas Darujhistan se ergue como a última das Cidades Livres de Genabackis, local de vital importância para o Império não apenas pela riqueza e pelo valor estratégico, mas também por um antigo segredo que guarda. Obstinada a ter a cidade, a imperatriz Laseen envia o capitão Ganoes Paran para liderar os Queimadores de Pontes, antiga força de elite que decaíram de sua glória passada após as mudanças no comando militar promovidas por Laseen. Porém, não é só o Império que tem interesse na cidade, forças ancestrais e sombrias acabam envolvidas nesse jogo onde os próprios deuses fazem seus movimentos.

“– Preste atenção nesta lição, filho.

– Que lição?

– Toda decisão que você toma pode mudar o mundo. A melhor vida é aquela que os deuses não notam. Se quiser viver livre, garoto, viva sem fazer muito barulho.”

Antes de qualquer coisa é preciso dizer que esse não é um livro para qualquer um, e o próprio Steven Erikson deixa isso muito claro no prólogo. Você é meio que jogado nesse mundo e tem de se esforçar um pouco para acompanhar o que está acontecendo ali. O autor não se preocupa em situar o leitor e a confusão aumenta na medida em que vários personagens diferentes, em diversos locais, vão aparecendo na trama. É muita coisa acontecendo no mesmo tempo e você pode se perder se não prestar bem atenção, porém, apesar de toda essa bagunça inicial, os personagens e histórias que inicialmente parecem desconexos vão aos poucos convergindo para um mesmo ponto de maneira bem natural, e as tramas vão se mostrando bem amarradas. Mas sim, esse é um livro bem complicado, principalmente para os marinheiros de primeira viagem em livros de fantasia e creio que gerará alguma resistência a quem não está muito no clima ou quem não está acostumado com esse ritmo, não chamaria esses leitores de “preguiçosos”, mas Jardins da Lua exige sim alguma atenção a mais, nem que seja pra não se distrair e perder o fio da meada. Faço minhas as palavras do próprio autor “o primeiro romance começa no meio do que parece uma maratona: ou você entra correndo e consegue se manter em pé, ou então fica para trás.”.

Rake

Anomander Rake, em uma arte de Michael Komarck

Esse caos em que o leitor é atirado lembra bastante a Companhia Negra, uma das fontes que Erikson bebeu, por essa confusão inicial quanto pelo clima da obra, além de ser nítidas as semelhanças entre os Queimadores de Pontes e os personagens da série do Glen Cook, como pelas próprias companhias em si. Quem já leu algum livro das Crônicas da Companhia Negra vai inevitavelmente associar uma obra a outra.

Um ponto passível de críticas, ao meu ver,  é o fato do Erikson por vezes ser muito prolixo. Muita coisa poderia ser cortada de algumas digressões que os personagens acabam tendo, não chega a necessariamente ser algo incômodo ou mesmo entediante, mas deixa a coisa toda mais lenta, apesar do ritmo que ele imprime na narrativa ser bem ágil.

O maior ponto positivo do livro certamente é o próprio mundo de Malaz. O universo criado pelo autor é verdadeiramente fantástico, ele se destaca logo de cara com apresentando várias raças, algumas já extintas há tempos, além de diversas etnias de povos humanos. Também é interessante o conceito de uma cidade que utiliza iluminação à gás, como o caso de Darujhistan, ou mesmo uma montanha flutuante como a Cria da Lua, lar dos  Tiste Andii, que também funciona como uma fortaleza praticamente inexpugnável, mas o que principalmente se sobressai de todo o resto são os deuses e a magia, esta extraída de dimensões conhecidas como “Labirintos”, alguns deles apenas acessíveis a certas raças, além do Baralho de Dragões, uma espécie de oráculo, como o tarot, só que mutável dependendo de novos Ascendentes, e esse também é um ponto interessante, já que o panteão desse universo é bem vivo, com deuses agindo no mundo material, usando humanos como peões, mas que também podem ser derrotados no mesmo jogo pelos próprios mortais, ou seja, no universo de Erikson novos deuses ascendem ou podem ser derrotados, até mesmo por humanos.

 “– Continue jogando, mortal. Todo deus cai pelas mãos de um mortal. Esse é o único fim para a imortalidade.”  

Outro ponto interessante reside na parte política, com personagens com próprios interesses e maquinações, e esse clima caótico da narrativa incrivelmente funciona perfeitamente dentro desse quebra-cabeça que o leitor vai aos poucos montando, gradualmente delineando traições, alianças e acordos políticos.

Por outro lado, por se prender tanto nesse aspecto, já que o grande protagonista é o próprio universo, não há tanto espaço para desenvolver melhor os personagens, algo que se complica mais com a profusão de personagens principais ou secundários envolvidos em acontecimentos importantes da história. Falando nisso prepare-se para idas e vindas ao glossário para se situar, mas algo que achei interessante é o fato de haver ilustrações dos personagens na parte interna da capa e da contracapa, ajuda um pouco a lembrar de quem é quem na história.

Personagens_Jardins_Da_Lua

Personagens do livro

Jardins da Lua é tudo isso, é épico, ambicioso e confuso. O livro é um desafio aos leitores, não recomendo a quem não está acostumado com alta fantasia e mesmo a quem tem certa familiaridade com o gênero eu recomendaria se preparar um pouco para acompanhar o ritmo frenético, intrincado  e caótico do livro, mas para estes últimos o cenário pode fazer toda a diferença para superar esses percalços durante a leitura. Sendo sincero, apesar dos combates épicos, achei certas partes um pouco desinteressantes quanto ao clímax das batalhas, esperava um pouco mais e me decepcionei pelo desfecho meio morno que tiveram, porém, apesar dos pesares a história é interessante e há espaço para muita coisa acontecer ainda.

Certamente lerei os próximos volumes, acredito que só tem a melhorar, ainda mais não mais sendo um novato nesse universo e estando mais preparado para aproveitar o que a história pode oferecer de melhor e mitigar um pouco esses pequenos defeitos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s