Total War Rome : Destruição de Cartago – David Gibbins

PrintO livro é baseado na famosa série de jogos Total War, mas isso é um detalhe irrelevante para a leitura em si, já que qualquer pessoa que nunca tenha jogado (eu inclusive) consegue ler sem problemas, pois não é necessário qualquer tipo de conhecimento prévio dos jogos. Interessante é que o autor não resolveu focar nas batalhas de Aníbal contra Cipião Africano, que é o que vêm à cabeça quando se fala de Cartago, ele preferiu situar essa história décadas depois da ameça de Aníbal, quando Cartago foi de fato destruída por Públio Cornélio Cipião Emiliano Africano (“o Jovem”), o neto adotivo de Cipião Africano.

O livro é narrado pela visão do melhor amigo e fiel guarda-costas de Cipião Emiliano, Fábio Petrônio II, uma escolha também interessante por este ser um personagem totalmente ficcional, e também por não dar o ponto de vista inteiramente sob a perspectiva do próprio Cipião Emiliano.

Confesso que fui logo atraído pelo livro, simplesmente por adorar tudo sobre o tema, e criei expectativas que não deveria criar, porém, acho que mesmo se não tivesse expectativa alguma não mudaria minha visão final sobre ele após o termino da leitura. Pois é, para mim foi decepcionante.

Vou começar pelo ponto forte do livro e depois vou às críticas. Ele vai bem na excelente pesquisa sobre os costumes, sobre a política, sobre a arquitetura, sobre os povos, e sobre tudo o que permeava a vida naquela época. Vale lembrar que o autor, David Gibbins, é bem gabaritado para escrever sobre o assunto, pois ele já trabalhou como professor de arqueologia, além de ter feito pesquisas em campo. Mas se por um lado a pesquisa desperta o interesse, por outro a construção dos personagens não se sai tão bem. Alguns são personagens históricos, embora muito da personalidade deles tenha vindo do próprio autor que teve que preencher as lacunas por conta das poucas fontes existentes sobre esses personagens, mas eles acabaram não ficando tão interessantes quanto deveriam ser, e aqueles que são totalmente fictícios ficaram bem rasos e muito pouco carismáticos, alguns beiram clichês como o cara forte de gosta de lutar (Brutus), a moça bonita e independente (Julia), o cara inventivo que está à frente de seu tempo (Ênio), etc. Falta vida a eles, ficaram muito artificiais. Sei que muita coisa da própria história do Cipião Emiliano se perdeu com o tempo, porém essa era uma oportunidade do autor de explorar mais esse personagem, de dar a ele mais empatia, de explorar melhor as mentes dele e do seu guarda-costas Fábio, o narrador da história. Penso que talvez por tentar recriar a imagem do personagem histórico ele tenha ficado meio receoso de arriscar mais traços de personalidade ao Cipião, mas isso não se aplicaria ao Fábio, que até por ser os olhos do leitor, deveria ter mais empatia, mas todos são soldados extremamente estoicos.

Tudo acontece muito rápido, sem tensão alguma, muitas vezes dando a impressão de que o autor não sabe bem o que quer, faltando o foco de parar e explorar melhor algumas coisas antes de passar para outras. Acho que isso se deve ao fato do autor realmente gostar muito do tema, mais parecendo que essa é uma forma dele escrever mais sobre a Roma Antiga e sobre os costumes da época do que sobre os personagens em si, o que nesse tipo de romance focado em batalhas nem sempre é bom. A visão humana sobre a guerra sempre é algo que chama atenção, justamente pela guerra trazer o pior e o melhor do ser humano, ela tira as nossas amarras sociais e deixa o ser humano sem essa capa de civilidade, ele é o que é de verdade. Faltou lapidar, filtrar melhor as ideias, focar em algumas coisas e deixar outras de lado. Serei chato também e devo mencionar que existem alguns clichês que apareceram na trama que beiram a roteiros de novelas das 8 hrs, com lugares comuns e dramas baratos, mas ao falar sobre já entraria no perigoso e sombrio território dos spoilers.

Faltou também emoção nas cenas de luta, as batalhas são descritas de forma muito superficial e até mesmo recheadas de clichês, onde poderiam dar mais atenção a alguns detalhes e torná-las partes muito boas, mas acho que dificilmente daria certo, o autor não deu carisma suficiente a seus personagens, tanto que na primeira parte do livro um dos vários personagens apresentados morre e foi algo que ficou tão morno que não teve efeito algum sobre mim. As melhores cenas mesmo são das descrições dos costumes e do cotidiano, a “porradaria” mesmo é fraca se comparada com outros autores do gênero. Um embate interessante entre Cipião e seu rival Metelo que poderia ser mais bem explorado não é, fica pra uma próxima oportunidade. O cerco que poderia ser mais esmiuçado, sendo algo perfeito para explorar o desespero, a tensão e os problemas desse tipo de conflito, não foi, ficou como se tudo se resolvesse muito rapidamente. Cartago que poderia ter um destaque maior só é vista por olhos romanos, o que deixa uma visão muito pobre de uma batalha desse calibre.

Pra quem gosta de histórias com as legiões romanas sugiro a excelente série “O Imperador” do Conn Iggulden, o livro “A Águia da Nona”, da Rosemary Sutcliff, que já foi adaptado para o cinema com o nome de “A Legião Perdida” (“The Eagle”, no original), e também o livro “Guerreiros de Roma – Fogo no Leste” de Harry Sidebottom, que se passa em um período que os autores pouco exploram, o começo da queda do Império Romano. Fico devendo uma resenha destes livros, qualquer dia desses tomo vergonha na cara e faço, prometo qu não vão demorar a sair, mas já ficam agora como dicas para quem quer ler bons romances sobre o tema, pois infelizmente Total War Rome: Destruição de Cartago não correspondeu as minhas expectativas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s