Distopias Literárias – Segunda Parte

livro-1984-george (517x800)Dando prosseguimento a primeira parte sobre distopias literárias, vamos então falar de mais algumas que certamente não poderiam deixar de aparecer em qualquer lista que se preze sobre o tema, então, sem perder mais tempo com introduções, vamos logo falar daquela que talvez seja a mais famosa de todas elas e que é uma das principais referências para o gênero, falo é claro de 1984, de George Orwell. Continuar lendo

Distopias Literárias – Primeira Parte

Dando prosseguimento ao post anterior que serviu como introdução às distopias, desta vez serei menos genérico e falarei mais do tema focando em algumas distopias que temos na literatura. Não entrarei em maiores detalhes sobre as obras por conta do tamanho absurdo que ficaria esse post, que já o tive que separar em duas partes, e também pelo motivo de, ou eu já ter feito uma resenha/crítica de alguns deles no blog, ou ainda irei fazê-las, e desse modo posso falar com maior cuidado sobre essas obras, até porque elas merecem esse aprofundamento. Continuar lendo

O Pessimismo dos Mundos Distópicos

A distopia apresenta um conceito filosófico oposto à utopia, termo cunhado por Thomas Morus em seu livro Utopia, cujo significado é “não-lugar” ou “lugar inexistente”. Na obra publicada por Morus em 1516 Utopia era um ilha onde as pessoas viviam em paz, a fome era inexistente, os recursos eram praticamente ilimitados, as pessoas possuíam apenas as melhores características humanas e ouro e prata não tinham valor algum, ou seja, era um lugar completamente diferente e absurdo em comparação com a Europa da época com valores totalmente diferentes, era algo totalmente idealizado, realmente um lugar inexistente. Continuar lendo

Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida – Eduardo Spohr

herdeiros_de_atlantidaHerdeiros de Atlântida é primeiro livro da trilogia “Filhos do Éden”,  escrito pelo autor Eduardo Spohr, sendo seguido por “Anjos da Morte” e fechando com “Paraíso Perdido”. Não é tão épico quanto o livro anterior do autor que se passa no mesmo universo, o best seller A Batalha do Apocalipse”, mas também não deveria ser, o caminho mais acertado para esse spin-off justamente é o de não ter a pretensão de superar a magnitude dos eventos ocorridos em ABdA. Aliás, falando desse livro, é bom mencionar que não é necessário ter lido A Batalha do Apocalipse para entender Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida. Mas chega de introdução, comecemos então a resenha. Continuar lendo

O Forte – Bernard Cornwell

o_forteO Forte é um dos “livros avulsos” do britânico Bernard Cornwell, bem mais conhecido pelas suas séries mais longas como “As crônicas de Arthur”, “A busca do Graal” e “As crônicas saxônicas”, muito amadas e, até não exagerando, idolatradas aqui no Brasil. Mas nesse livro, assim como nos livros da série “As aventuras de Sharpe”, troca-se o arco, os machados e as espadas pelos canhões, rifles e mosquetes, embora vejamos novamente os ingleses como os protagonistas, porém desta vez em batalhas contra os americanos. Continuar lendo

Total War Rome : Destruição de Cartago – David Gibbins

PrintO livro é baseado na famosa série de jogos Total War, mas isso é um detalhe irrelevante para a leitura em si, já que qualquer pessoa que nunca tenha jogado (eu inclusive) consegue ler sem problemas, pois não é necessário qualquer tipo de conhecimento prévio dos jogos. Interessante é que o autor não resolveu focar nas batalhas de Aníbal contra Cipião Africano, que é o que vêm à cabeça quando se fala de Cartago, ele preferiu situar essa história décadas depois da ameça de Aníbal, quando Cartago foi de fato destruída por Públio Cornélio Cipião Emiliano Africano (“o Jovem”), o neto adotivo de Cipião Africano. Continuar lendo