Aprendiz (Saga do Mago Vol.1) – Raymond E. Feist

mago-aprendiz (556x800)O livro foi publicado originalmente em 1982 e um detalhe importante a ser dito, antes de tudo, é sobre esse primeiro volume, Mago – Aprendiz, que foi publicado como volume único juntamente com a continuação deste, Mago – Mestre, porém em 1992 o autor Raymond E. Feist pode reeditar o seu livro acrescentando partes que originalmente seus editores acharam melhor serem cortadas e nessa reedição, conhecida como “Edição Preferida do Autor”, separaram o livro nestas duas partes e é justamente essa versão reeditada pelo autor que foi publicada aqui no Brasil pela editora Saída de Emergência. Continuar lendo

Ardil-22 – Joseph Heller

Antes de tudo, creio que muita gente deva ter conhecido esse livro da mesma forma que conheci, fiquei sabendo através da saudosa série LOST, onde, aliás, o nome do episódio onde esse livro dá as caras – e é uma edição brasileira – é justamente Catch-22 (O nome no livro, no original em inglês). E assim como a série o livro aborda temas bem parecidos, como histórias sendo contadas entre inúmeros flashbacks e gente tentando escapar de uma ilha. Continuar lendo

Resenha : O Duelo dos Reis – Joe Abercrombie

“Mas você adora bancar o homem bom, não é? Sabe o que é pior do que um vilão? Um vilão que acha que é herói. Não há nada que um homem assim não faça, e sempre arranja uma desculpa.”

Duelo (566x800)Terceiro e último livro que fecha a boa trilogia “A primeira Lei”. Nesse livro a batalha contra Bethod no norte se intensifica e caminha pro seu desfecho, ao mesmo tempo em que Adua, a capital da União, é atacada pelo Império Gurkhense e a iminência de uma invasão, juntamente com acontecimentos inesperados, colocam todos em estado de alerta, e isso abre lacunas para que os jogos de poder, as conspirações e traições ocorram. Mas para falar dessa trilogia antes de qualquer coisa deve-se falar dos seus personagens, pois eles são o que mais levam o leitor a acompanhar os livros, e vejo nisso um ponto positivo pro autor Joe Abercrombie, principalmente pelas mudanças, sutis ou não, dos personagens, mas que não perderam suas essências no decorrer da história. Continuar lendo

Deuses Americanos – Neil Gaiman

“-Assim, como todos vocês tiveram oportunidade de descobrir sozinhos, existem novos deuses crescendo nos Estados Unidos, apoiando-se em laços cada vez maiores de crenças: deuses de cartões de crédito e de autoestradas, de internets e de telefones, de rádios, de hospitais e de televisões, deuses de plástico, de bipe e de néon. Deuses orgulhosos, gordos e tolos, inchados por sua própria novidade e por sua própria importância. Eles sabem de nossa existência, têm medo de nós e nos odeiam – disse Odin. – Vocês estão se enganando se acreditam que não. Eles vão nos destruir, se puderem. É hora de a gente se agrupar. É hora de agir.”

Deuses_americanos_capa.inddO livro começa com Shadow cumprindo os seus últimos dias na prisão com a expectativa de sair dentro de muito pouco e se reencontrar sua mulher, e de quebra se restabelecer de volta à sociedade com a ajuda de seu melhor amigo que lhe garantiu um emprego assim que ele saísse de lá. Continuar lendo

Resenha : Antes da Forca – Joe Abercrombie

O segundo livro da trilogia “A Primeira Lei“, sendo o predecessor dele o também fantástico livro, O Poder da espada, que teve sua resenha publicada semana passada aqui no blog.

Antes da forcaNeste livro a ação se divide em 3 núcleos principais: com os nórdicos e West combatendo as ameaças do norte de Berthod; Sand dan Glokta e seus práticos tendo de se virar em uma cidade ao sul que se prepara para tentar aguentar a invasão do Império Gurkhul enquanto tenta achar respostas para o desaparecimento do Superior anterior da cidade, o que põe ele em um angustiante trabalho com poucos recursos para aguentar um cerco contra um inimigo muito mais poderoso e com traidores por todos os lados da cidade; e o núcleo que vai com o mago Bayaz em busca de um artefato importante e misterioso, sendo integrantes do grupo escolhido pelo Primeiro dos Magos, Jezal, Ferro, Logen, Quai e Pé Comprido, que vão passando pela decadência do primeiro Império até a “Borda do mundo” em sua jornada. Continuar lendo

J.R.R. Tolkien x George R.R. Martin

John Ronald Reuel Tolkien ou J. R. R. Tolkien é sem sombra de dúvidas o primeiro nome que se passa na cabeça da grande maioria de pessoas quando se fala em livros de fantasia, e há grandes motivos para isso, afinal O Senhor dos Anéis foi o livro que revolucionou o gênero, que sem dúvidas, se tornou outro depois das obras do professor. George Raymond Richard Martin a.k.a. George R. R. Martin ganhou muita notoriedade nos últimos tempos, impulsionado pelo sucesso de Game of Thrones, que adapta para a TV a sua grande, e grandiosa, série de livros As Crônicas de Gelo e Fogo, que, pelo menos para o grande público, inovou com uma trama cheia de reviravoltas, com personagens cinzas, sem aqueles valores sólidos e perfeitos, com muito sexo e focando no jogo político, tendo uma tendência a se parecer mais com a realidade nessas questões. Ambos mudaram o status quo da fantasia, os dois ganharam muitos fãs e os seus fãs não raramente ficam discutindo e brigando sobre qual é melhor e o motivo de um ser melhor que o outro, mesmo que esse motivo não fique lá muito coerente para qualquer pessoa que não eles mesmos. Bem, não vou entrar nessa discussão de quem é melhor, até porque isso pode ser muito subjetivo, mas compará-los… aí já é outra história. Continuar lendo

Resenha : O Poder da Espada – Joe Abercrombie

opoderdaespada (557x800)Escrito pelo britânico Joe Abercrombie, esse livro realmente me surpreendeu muito, e o que é melhor, me surpreendeu positivamente, primeiro por me fazer acreditar naquela velha frase “Não julgue um livro pela sua capa”. Se eu não tivesse ouvido críticas positivas a respeito dele eu não o teria comprado, a primeira capa é muito fraca, especialmente pelo conteúdo que encerra, mas já concertaram esse pequeno “deslize” e fizeram uma capa mais elaborada e mais atrativa para chamar a atenção de quem costuma comprar pelo impulso. O nome aqui no Brasil também é meio clichê, originalmente se chama The blade itself, o que tem relação com uma pequena citação de Homero que há no início do livro, “A própria espada instiga atos de violência”, mas o conteúdo é o que conta e nisso ele se sai muito bem. Vale lembrar que esse é o primeiro volume da trilogia “A Primeira Lei”, seguido pelos livros “Antes da Forca” e “O Duelo dos Reis“. Continuar lendo